domingo, 20 de janeiro de 2013

Curiosidade #7: Skinship


Para quem está entrando no mundo k-pop, um dos primeiros choques culturais está no excesso de contato físico entre pessoas do mesmo sexo, especialmente entre garotos. Com o tempo, no entanto, a gente vai se acostumando e passa até a achar fofo. Mas muitas pessoas acabam levando para o lado da malícia, sem nem se preocupar em conhecer a cultura coreana ou o significado da palavra skinship. Você sabe o que é isso? Confira nesse post! :)

'Skinship' é um conceito japonês e coreano, derivado originalmente do relacionamento entre mãe e bebê onde o contato físico é um processo importante de ligação. Hoje o termo é usado para contato físico íntimo em geral, como entre pais e filhos, bem como uma expressão mais sexual envolvendo carícia, especialmente entre adolescentes.


 

No entanto, o termo coreano, um exemplo de Konglish (coreano-inglês), parece se diferenciar na prática do 'skinship' japonês, sendo ele praticado entre homens, especialmente adolescentes do sexo masculino. Trata-se de uma série de práticas comuns e não tão comuns, incluindo: dar as mãos, dar os braços, compartilhar guarda-chuva, sentar no colo, massagear, acariciar, brincar com o cabelo, repousar a cabeça no colo ou coxa, mexer na orelha, etc, etc, etc. O termo também pode ser usado para descrever o vínculo com alguém através de esportes ou jogos, que são muitas vezes práticas comuns entre homens de negócio.

 

Há um provérbio coreano que diz que se você quer ser próximo de uma pessoa, a melhor maneira é através do toque. Sendo assim, skinship não implica uma atração oculta, ao contrário do que possa parecer aos nossos olhos, sob o ponto de vista da nossa cultura. Por isso, é normal vermos homens jovens coreanos se abraçando, sentando no colo, compartilhando uma cama, etc. Muitas dessas coisas nós estamos acostumados a ver no universo do k-pop, não é verdade? 


 

Ian, um brasileiro que mora nos Estados Unidos e estuda em uma faculdade com muitos coreanos diz: "O que eu descobri sobre meus hyungs é que mesmo agora na idade de 22-26, não sendo mais inocentes, nada lhes vem a mente quando fazem skinship, porque para eles é só uma forma de demonstrar afeto aos amigos. Nada mais, nada menos." 



Se você já acompanhou algum blog de um estrangeiro vivendo na Coreia, com certeza já o viu falar sobre skinship m algum momento. Porque é uma coisa que a princípio choca, já que é totalmente diferente ao que estamos acostumados. Um exemplo disso, é o Henry, do Super Junior-M, que quando se encontrou a primeira vez com os membros do Super Junior achou que todos eles fossem gays, porque apertaram a bunda dele! Jay Park, ex-2PM, também teve uma impressão parecida.



Já li relatos de professores novatos de inglês na Coreia, que ficaram surpresos quando viram dois alunos de mãos dadas, acariando o cabelo um do outro ou até mesmo usando camisas de casal, enquanto toda a turma agia normal, como se nada demais estivesse acontecendo. Sendo que quem conhece a cultura coreana, sabe que ela ainda é extremamente homofóbica, ao ponto de dizer absurdamente que não existem gays na Coreia. Depois da aula, os professores procuravam ir falar com os alunos e acabavam descobrindo que eles eram só amigos, que tinham namoradas e etc. Ou seja, skinship entre garotos é uma coisa totalmente cultural na Coreia. É tão natural quanto seria aqui você abraçar seus pais, por exemplo.



Segundo Nick, um professor estrangeiro na Coreia que muitas vezes se sente inibido para falar sobre skinship e casas de banho no seu blog, essa tendência dos ocidentais de classificar esse tipo de contato como 'gay' ou 'perversão' é um reflexo da extensão das nossas próprias inibições culturais. Ou seja, mesmo querendo proclamar aos quatro ventos o quanto somos liberais, no fundo temos mentes fechadas na hora de julgar e logo saímos colocando rótulos.



Ian diz que gosta de skinship, porque isso o faz lembrar da família que, sendo brasileiros, praticam bastante skinship entre si. Uma coisa que não é muito comum lá nos EUA. Nick diz também que se sente mais humano na Coreia, a despeito de ser estrangeiro e às vezes sentir uma espécie de solidão, do que quando volta para casa na Inglaterra onde as pessoas estão sempre tensas e procurando ler perversão e sexo em tudo.



É como diz o ditado. A maldade está nos olhos de quem vê. Ou no preconceito de quem pensa ter razão.



Convenhamos que alguns grupos exageram na hora do skinship por conta do fanservice, né? Mas não se iludam muito com isso. Tem muito mais inocência por trás disso do que nossos olhos maliciosos podem ver.
 

Então, sinto muito informar, mas por mais que seu gaydar seja apurado, ele não vai funcionar muito bem na Coreia. ;D


Créditos: Amongst Other Things; vários
Texto: Nikki @ PurpleLineFics
NÃO RETIRE SEM OS DEVIDOS CRÉDITOS

5 comentários:

  1. Adorei seu comentário, pois adoro esse lado aberto dos coreanos. Quem dera aqui no Brasil fosse mais facil ser tão aberto a este tipo de demostração de carinho e admiração estre todos...

    ResponderExcluir
  2. Quando comecei a me interessar por k-pop, levei um susto no inicio e achava realmente que eles eram gays, mas com o tempo acabei até achando fofo e me acostumando, como vc disse. Hoje em dia acho muito lindo esse carinho entre amigos, coreanos são tão carinhosos omg quero um pra mim *-*

    ResponderExcluir
  3. E respeito muito a maneira do koreanos viverem queria que no brasil tivesse um pouco de SKINSHIP....em fim amar o proximo ...e um mandamento de Deus....AMO mesmo a cultura Koreana......

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigado, eu adorei essa curiosidade, não sabia o que era skinship e agora sei mais do que procurava. Muito interessante a cultura coreana, uma das que mais gosto.

    ResponderExcluir
  5. Muita gente diz que "LJOE really love skinship" o que isto significa? Que ele gosta de abraços, mão dadas...Entre outros....?
    Ele gosta de dar ou gosta de receber?

    ResponderExcluir